Sumi Jo novamente na Sala São Paulo

Em 2009, a TUCCA trouxe para o Brasil para sua série de concertos a soprano coreana Sumi Jo. Ela se apresentou na Sala São Paulo e o concerto foi simplesmente lindo, você pode conferir a resenha aqui.

Quase exatamente quatro anos depois, a TUCCA traz novamente a Sumi Jo para o mesmo local. Quem puder assistir, tenho certeza de que não vai se arrepender!!

1208823_443194892467085_1403113874_n

Anúncios

ANNICK MASSIS NO THEATRO SÃO PEDRO: NO MELHOR ESTILO CALLAS

Foto: internet

Foto: internet

Neste final de semana, fui assistir à soprano coloratura francesa Annick Massis que, apesar de não ser tão famosa entre o grande público brasileiro, é dona de uma carreira sólida com apresentações frequentes nos maiores teatros do mundo, como o Scala de Milão, o Metropolitan de Nova York, Opéra Bastille em Paris e em festivais do calibre de Glyndebourne e Salzburg.

Ela se apresentou no Theatro São Pedro, em São Paulo, juntamente com a orquestra do teatro, Orthesp, regida pelo maestro convidado Jamil Maluf.

O repertório escolhido foi ousado, ao reunir músicas de estilos e épocas diferentes, como o barroco, o bel canto e o romântico italiano. E refletiu o amadurecimento da voz de Annick Massis que, apesar de ser classificada como coloratura, tem incorporado papéis para vozes mais dramáticas, como Violetta, de La Traviata (Verdi), e Donna Anna, de Don Giovanni (Mozart).

Depois de uma bela apresentação da abertura de Don Giovanni (Mozart) pela orquestra, Annick começou sua noite com Lascia Ch’io Pianga, de Rinaldo (Haendel), que, ao meu ouvir, apesar de uma interpretação emocionante, não favorecia a sua voz, que teve que contar com excessos de variações e pianíssimos em uma tentativa de dar brilho à peça. Mas, a partir daí, a noite só teria a melhorar e foi num crescendo constante até o final.

A próxima da lista foi Casta Diva, de Norma (Bellini), em que Annick conseguiu mostrar uma voz cheia de cores, segura e experiente, e com imponência tanto nos agudos quanto nos graves sustentados no peito, uma qualidade não tão comum para sopranos coloraturas, que muitas vezes não conseguem segurar o volume em notas graves de cabeça. Neste momento, tive a impressão de que ela se inspira muito em Callas, o que foi confirmado na sua interpretação de La Sonnambula, que comentarei mais adiante.

Annick continuou bem em Egli non riede ancora… Non so le tetre immagini, de Il Corsaro (Verdi), até chegar ao ponto alto da noite para muitos com a sequência È strano… È strano… Ah, fors’è lui… Sempre libera, de La Traviata (Verdi). E digo isso não somente pela popularidade e beleza das árias, mas também pela forma impecável como cantou cada nota até o gran finale de Sempre Libera com o Mi Bemol superagudo, uma nota não obrigatória, mas sempre esperada pelo público fã da ária. A nota que a fez tremer, mas que também fez tremer o público, é a prova de que Annick Massis, nos seus 53 anos, está firme e forte em toda sua vitalidade vocal, incorporando graves, mas sem perder agudos.

Depois do intervalo, ela cantou mais duas árias de La Traviata até chegar ao que considero a melhor parte do espetáculo, que foi sua interpretação de Oh, se una volta sola… Ah, non credea mirarti… Ah, non giunge, de La Sonnambula (Bellini). Nela, Annick me emocionou de verdade, mostrando conhecimento profundo da obra belcantista, com um Non Credea de tirar o fôlego, que lembrou muito o de Callas no concerto de 1965 em Paris. E um Non Giunge com direito a todas as coloraturas na segunda parte. Faltou apenas a nota aguda final, mas que certamente foi por questão de estilo, já que ficou provado que ela alcançaria até as mais altas.

A noite ficou melhor ainda quando, no bis, Annick voltou para apresentar sua versão de Je Veux Vivre, de Roméo Et Juliette (Gounod) e uma inesperada Il bel sogno di Doretta, de La Rondine (Puccini), uma das árias mais bonitas do repertório italiano.

E, falando em italiano, antes do início do espetáculo, um italiano sentado na minha frente que parecia desconhecer a cantora, comentou: “Se for ruim, a gente ouve uma e vai embora”. Ele ficou até o final do bis. Bom sinal.

Programação de óperas no Brasil em 2013/2014

Anteriormente, fiz um post com a programação de óperas de teatros de São Paulo. Mas resolvi fazer outro post com as óperas no Brasil, incluindo, além desses, outros teatros e festivais de ópera de outras cidades e estados. Pode sofrer alterações.

2013

Julho

A Valquíria, R. Wagner
Dias 17, 19, 21, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

La Cenerentola, G. Rossini
Dia 19, Teatro Municipal José de Castro Mendes, Campinas
Dia 27, Sala Palma de Ouro, Salto

Domitila, J. G. Ripper
Dias 20, 21, Teatro Municipal de Niterói, Niterói

Les Contes d’Hoffmann, J. Offenbach
Dia 22, Teatro Simón Bolivar, Memorial da América Latina, São Paulo
Dia 25, Teatro Municipal José de Castro Mendes, Campinas
Dia 28, Teatro CIAEI, Indaiatuba

A Viúva Alegre, F. Lehár
Dia 23, Teatro Municipal José de Castro Mendes, Campinas
Dia 24, Teatro Vitória, Limeira

Agosto

L’Elisir d’Amore, G. Donizetti
Dias 08, 10, 12, Theatro da Paz, Belém

Aida, G. Verdi
Dias 09, 11, 13, 15, 17, 18, 20, 22, 24, 25, Theatro Municipal de São Paulo, São Paulo

Il Turco in Itália, G. Rossini (concerto)
Dia 16, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Il Trovatore, G. Verdi
Dias 28, 30 de agosto e 1º de setembro, Theatro da Paz, Belém

Setembro

Don Giovanni, W. A. Mozart
Dias 12, 14, 15, 17, 19, 21, 22, Theatro Municipal de São Paulo, São Paulo

O Navio Fantasma, R. Wagner
Dias 21, 23, 25, Theatro da Paz, Belém

Outubro

Cavalleria Rusticana, P. Mascagni
Jupyra, A. F. Braga
Dias 15, 17, 19, 20, 22, 24, 26, 27, Theatro Municipal de São Paulo, São Paulo

Trouble in Tahiti, L. Bernstein (concerto)
O segredo de Suzanna
, E. Wolf-Ferrari (concerto)
Dia 31, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Novembro

O Menino e a Liberdade, Ronaldo Miranda
Dias 01, 02, 03, Theatro São Pedro, São Paulo

O Ouro do Reno, R. Wagner
Dias 09, 12, 14, 16, Theatro Municipal de São Paulo, São Paulo

Billy Budd, B. Britten
Dias 17, 19, 21, 23, 25, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

The Rake’s Progress, I. Stravinsky (concerto)
Dia 29, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Dezembro

Falstaff, G. Verdi
Dia 29 de novembro, 01, 05, 07, 11, 13, 15 de dezembro, Theatro São Pedro, São Paulo

La Bohème, G. Puccini
Dias 10, 12, 14, 15, 17, 19, 21, 22, 26, 28, 29, Theatro Municipal de São Paulo, São Paulo
Medeia, L. Cherubini (concerto)
Dia 19, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
2014

Março

Il Trovatore, G. Verdi
Theatro Municipal de São Paulo

Abril

Falstaff, G. Verdi
Theatro Municipal de São Paulo

Maio

Carmen, G. Bizet
Theatro Municipal de São Paulo

Junho

Così fan Tutte, W.A. Mozart
Theatro Municipal de São Paulo

Agosto

Salome, R. Strauss
Theatro Municipal de São Paulo

Outubro

La Bohème, G. Puccini
Theatro Municipal de São Paulo

Novembro

Cavalleria Rusticana, P. Mascagni
I Pagliacci, R. Leoncavallo
Theatro Municipal de São Paulo

Dezembro

Tosca, G. Puccini
Theatro Municipal

Para comprar ingressos:

Theatro Municipal de São Paulo (temporada 2013)
www.ingressorapido.com.br/prefeitura
11 4003-1212
Bilheteria:
Segunda a sexta das 10h às 19h. Sábados, domingo e feriados das 10h às 17h ou até a hora do espetáculo, se houver.
Nos espetáculos noturnos, até o início do evento.
Nas apresentações matinais, desde duas horas antes, até o início do evento.

Theatro São Pedro
www.ingressorapido.com.br
11 4003-1212
Bilheteria:
De terça a domingo, das 10h às 13h e das 14h às 18h.
Em dia de evento noturno, até o início do evento.

Theatro Municipal do Rio de Janeiro
www.ingresso.com
21 4003-2330
Bilheteria: 21 2332-9191
De segunda a sexta, sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h.
Após as 18h, venda apenas para o espetáculo do dia.

Festival Internacional de Ópera das Américas
Não consegui encontrar uma bilheteria comum a todos os eventos, favor verificar nos teatros das respectivas cidades.

Theatro da Paz
Bilheteria: (91) 4009-8758/ 8759
De terça a sexta das 09h às 18h, sábados das 09h às 12h e domingos das 09h às 11h.
Em dia de espetáculo, de 09h até o início do evento.

Programação de óperas em São Paulo 2013/2014

O Theatro Municipal divulgou sua programação de óperas para 2014, e achei que valia montar um calendário com as óperas que já sabemos que haverá daqui para a frente. Assim, as pessoas podem se programar com antecedência para não ficar sem ingresso!!

Aqui estão listadas as óperas no Theatro Municipal e Theatro São Pedro, ambos em São Paulo.

2013

Agosto

Aida, G. Verdi
Dias 09, 11, 13, 15, 17, 18, 20, 22, 24, 25, Theatro Municipal

Setembro

Don Giovanni, W. A. Mozart
Dias 12, 14, 15, 17, 19, 21, 22, Theatro Municipal

Outubro

Cavaleria Rusticana, P. Mascagni
Jupyra, A. F. Braga
Dias 15, 17, 19, 20, 22, 24, 26, 27, Theatro Municipal

Novembro

O Menino e a Liberdade, Ronaldo Miranda
Dias 01, 02, 03, Theatro São Pedro

O Ouro do Reno, R. Wagner
Dias 09, 12, 14, 16, Theatro Municipal

Dezembro

Falstaff, G. Verdi
Dia 29 de novembro, 01, 05, 07, 11, 13, 15 de dezembro, Theatro São Pedro

La Bohème, G. Puccini
Dias 10, 12, 14, 15, 17, 19, 21, 22, 26, 28, 29, Theatro Municipal

2014

Março

Il Trovatore, G. Verdi
Theatro Municipal

Abril

Falstaff, G. Verdi
Theatro Municipal

Maio

Carmen, G. Bizet
Theatro Municipal

Junho

Così fan Tutte, W.A. Mozart
Theatro Municipal

Agosto

Salome, R. Strauss
Theatro Municipal

Outubro

La Bohème, G. Puccini
Theatro Municipal

Novembro

Cavalleria Rusticana, P. Mascagni
I Pagliacci, R. Leoncavallo
Theatro Municipal

Dezembro

Tosca, G. Puccini
Theatro Municipal

Para comprar ingressos:

Theatro Municipal (temporada 2013)
www.ingressorapido.com.br/prefeitura
11 4003-1212
Bilheteria:
Segunda a sexta das 10h às 19h. Sábados, domingo e feriados das 10h às 17h ou até a hora do espetáculo, se houver.
Nos espetáculos noturnos, até o início do evento.
Nas apresentações matinais, desde duas horas antes, até 
o início do evento.

Theatro São Pedro
www.ingressorapido.com.br
11 4003-1212
Bilheteria:
De terça a domingo, das 10h às 13h e das 14h às 18h.
Em dia de evento noturno, até o início do evento.

Audições para solistas do Theatro Municipal do Rio de Janeiro para a temporada 2014

teatro-municipal-fora

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro, vinculado à Secretaria de Estado da Cultura, anuncia AUDIÇÕES para papeis solistas das seguintes óperas de sua Temporada 2014:

CARMEN, de Georges Bizet.
Personagens: Carmen, Don José, Micaela e Escamillo.
Período de montagem: de 18 de março a 15 de abril de 2014
Nove récitas previstas

SALOMÉ, de Richard Strauss.
Personagens: Salomé e Herodes.
Período de montagem: de 2 a 26 de junho de 2014
Cinco récitas previstas

WOZZECK, de Alban Berg.
Personagens: Marie, Wozzeck e Capitão
Período de montagem: de 4 a 31 de agosto de 2014
Quatro récitas previstas

A FLAUTA MÁGICA, de Wolfgang Amadeus Mozart.
Personagens: Tamino, Pamina, Papageno, Sarastro e Rainha da Noite.
Período de montagem: de 3 de novembro a 7 de dezembro de 2014
Oito récitas previstas.

As audições, sob responsabilidade artística do Maestro Isaac Karabtchevsky e do Maestro Silvio Viegas, serão realizadas neste ano de 2013 em dois locais:

• na ITÁLIA, em Riva del Garda, de 6 a 10 de agosto, no Auditório do Conservatório F.A. Bonporti, no Largo Marconi. Inscrições até o dia 25 de julho.

• no BRASIL, no Rio de Janeiro, dias 19, 21 e 23 de setembro, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Praça Floriano, s/n. Inscrições até o dia 5 de setembro.

As inscrições serão feitas exclusivamente por e-mail, em que deve constar o NOME COMPLETO, NÚMERO DE DOCUMENTO DE IDENTIDADE, TIPO DE VOZ e PAPEL PARA O QUAL AUDICIONARÁ.

Para as audições na Itália: info@musicarivafestival.com.

Para as audições no Brasil: artisticatheatromunicipal@gmail.com.

Mais informações: info@musicarivafestival.com
artisticatheatromunicipal@gmail.com

Um presente de Natália Áurea para quem quer aprender a cantar

Já faz um tempo que não escrevo, é verdade. Apesar da minha paixão pela ópera e música clássica, é tanta coisa acontecendo no mundo que estive me dedicando ao meu outro blog (se você espera encontrar algo relacionado a música, nem clique rsrs. É completamente diferente).

Mas como nunca deixo de escutar ópera, esses dias fuçando no You Tube encontrei uma surpresa de uma soprano brasileira que eu adoro: a Natália Áurea. Além de linda e charmosa, Natalia é dona de uma maravilhosa voz de soprano coloratura lapidada por ninguém menos que Neyde Thomas. Eu já conhecia o blog de Natalia, o Superious Sopranos, mas agora Nat, como é chamada, resolveu passar para a frente toda a herança que recebeu de Neyde em uma série de vídeos no seu canal no You Tube, para que esse precioso conhecimento não se perdesse no tempo. Uma atitude muito generosa, que eu admirei bastante!! Acesse seu canal aqui.

Natália Áurea, soprano brasileira

Natália Áurea, soprano brasileira

Nos vídeos, Nat, que também é solista da OSESP, aborda temas como voz de cabeça, vibrato, low voices, como cantar notas agudas, técnicas de aquecimento vocal e uma série muito útil para iniciantes sobre como cantar as músicas do Vaccaj. E o mais incrível: responde prontamente e com toda a simpatia todas as dúvidas que fazem a ela na seção de perguntas. Veja abaixo alguns de seus vídeos.

Um belo dia para escutar Vivaldi

Hoje me peguei ouvindo o Inverno, de As Quatro Estações, de Vivaldi. E me dei conta de que hoje mesmo se inicia o inverno. Uma feliz coincidência, porque combinou direitinho essa música tão gostosa com esse tempo meio friozinho… os pizzicati (técnica de dedilhar as cordas) como se fossem as gotas de chuva que caem do outro lado da minha janela. Bem vindo, inverno!!

Dessay no Met, por um colega que assistiu

Recebi um comentário de Hugo, um amigo do blog, contando que assistiu à Natalie Dessay no Met. Achei muito legal sua descrição, por isso, com sua permissão, reproduzo aqui esse trecho, traduzido ao português.

“No final do primeiro ato, Natalie não pôde dar claramente o Mi Bemol (E-flat), que aparece tão perfeito no vídeo de Aix-en-Provence, mas na minha opinião foi um erro mínimo no que é um espetáculo incrível.

Em La Traviata, Violetta aparece em quase todas as cenas, e está sempre cantando! Um dos papéis mais difíceis de todo o repertório lírico, e essa produção do Met impõe exigências físicas incríveis a Violetta, que não só canta, mas também se movimenta permanentemente no palco. O talento de Natalie como atriz é perfeito para essa produção.

A encenação atual do Met é formidável e inteligente: minimalista, com um enorme relógio que nos lembra que Violetta tem pouco tempo de vida. Este relógio muda de lugar durante a ópera e se converte  em não apenas uma mesa de roleta (ato 2, cena 2), mas também no altar simbólico sobre o qual Violetta se sacrifíca. Ao contrário de encenações tradicionais, que no 3 º ato mostram Violetta em uma cama, o uso de um palco com piso inclinado (ao público) permite que se veja e se ouça bem Violetta quando está caída em um chão nu e desolado.

Do ponto de vista da voz, Natalie não é Maria Callas e não é Joan Sutherland: é Natalie Dessay, uma soprano coloratura! É verdade, sua voz no terceiro ato soa um pouco cansada. Mas como não estaria cansada depois de quase três horas de incrível ginástica vocal e física?”

Hugo, muito obrigada pela sua contribuição, e sinta-se convidado a nos trazer sempre novos conteúdos!!